Base da Filosofia

http://www.facebook.com/wellingtonsversut

Filosofia da Moral ou Ética - Missão 06c - Voltaire - a tolerância

Ler de modo filosófico textos de diferentes estruturas e registros (PCNs, página 64)


TOLERANTIA - a short animated film by Ivan Ramadan

SmurfingGhoul

Enviado em 09/11/2010


Filosofia da Moral ou Ética
Tema: a tolerância
Questão Central: O que gera a intolerância religiosa e política?
Filósofo: Voltaire (1694 – 1778)
Obra: Dicionário Filosófico (1764)

Biografia

Voltaire (1694 – 1778) - foi um escritor, ensaísta, deísta e filósofo iluminista francês. Conhecido pela sua perspicácia e espirituosidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio. É uma dentre muitas figuras do Iluminismo cujas obras e ideias influenciaram pensadores importantes tanto da Revolução Francesa quanto da Americana. Escritor prolífico, Voltaire produziu cerca de 70 obras em quase todas as formas literárias, assinando peças de teatro, poemas, romances, ensaios, obras científicas e históricas, mais de 20 mil cartas e mais de 2 mil livros e panfletos.

Ler textos filosóficos de modo significativo (PCNs) 

Dicionário Filosófico (1764)

O que é a tolerância? É o apanágio da humanidade. Somos todos feitos de fraquezas e erros; perdoar reciprocamente as nossas tolices, eis a primeira lei da natureza...
Então, por que seguimos nos esganando uns aos outros, quase sem interrupção, desde o primeiro Concílio de Nicéia? Constantino começou emanando um édito que permitia todas as religiões; mas acabou por tornar-se um perseguidor...
Incontestavelmente, os Cristãos pretendiam que a sua religião fosse a dominante... que a Terra inteira se tornasse cristã. Assim, necessariamente, tornaram-se inimigos da Terra inteira, pelo menos enquanto não fosse convertida. Além disso, eram inimigos entre si sobre todos os pontos das suas numerosas controvérsias...
É claro que todo indivíduo que persegue um homem, seu irmão, pelo simples fato de não ser da sua opinião é um monstro. Sobre esse ponto não há problema. Mas o governo, os magistrados, os príncipes, como se comportam em relação àqueles que praticam um culto diferente do seu?
Tratando-se de estrangeiros poderosos, certamente um príncipe procurará torná-los seus aliados. Francisco I, mui cristão, se unirá aos Muçulmanos contra Carlos V, mui católico. Francisco financiará os luteranos alemães para sustentá-los na sua revolta contra o Imperador; mas começará, segundo o costume, por mandar queimar os luteranos em sua própria casa. Por política, paga-os na Saxônia; por política, queima-os em Paris. (...)
Essa horrível discórdia, que já dura séculos, é uma lição que nos faz meditar sobre o dever de perdoar mutuamente os nossos erros; a discórdia é o pior mal do gênero humano, e a tolerância, o seu único remédio. Ninguém ousa colocar em dúvida tal verdade, seja meditando calmamente em seu escritório, seja discutindo tranquilamente com seus amigos. Por que então esses mesmos homens que admitem individualmente a indulgência, a benevolência, a justiça, depois em público se voltam com tanto furor contra essas virtudes? Por quê? É que o interesse é o seu Deus e estão dispostos a sacrificar tudo pelo monstro que adoram...
Como se sabe, toda seita é sinônimo de erro; não existem seitas entre os cultores de geometria, da álgebra, da aritmética, porque todas as proposições dessas ciências são verdadeiras. Em todos os outros campos se pode errar. Que teólogo tomista poderia seriamente afirmar estar seguro das suas ideias?

Dicionário Filosófico

Tolerância – Os pensadores iluministas, como Voltaire, e os teóricos do liberalismo insistiram longamente no conceito de tolerância. A ideia é que o Estado, mesmo sendo composto por uma massa de fiéis, deve ser laico, indiferente e desinteressado das questões de consciência que afligem os cidadãos. Por outro lado, a Igreja deve renunciar ao exercício da força, seja no proselitismo, seja na resolução de questões teológicas internas. O fundamento filosófico dessas doutrinas, em contraste com uma tradição milenar, está em considerar a fé um puro ato interior de consciência.

Elaborar por escrito o que foi apropriado de modo reflexivo (PCNs)




1 – Segundo Voltaire, o que é a tolerância?
(     ) é um atributo, uma qualidade inerente, uma característica da humanidade
(     ) é uma virtude, um sentimento, um conhecimento da humanidade
– Qual é a primeira lei da natureza de acordo com o filósofo?
– Voltaire chama de monstro aquele homem que...
(     ) persegue outro homem pelo simples fato de sua opinião ser contrária
(     ) persegue outro homem pelo simples fato da vingança
– Mas o governo, os magistrados, os príncipes, como se comportam em relação àqueles que praticam um culto diferente do seu? Para buscar uma neutralidade em relação às questões religiosas estamos construindo o:
(     ) Estado Laico
(     ) Milenarismo
– Faça a relação.
(A) Discórdia
(B) Tolerância
(     ) o remédio para a humanidade
(     ) o pior mal do gênero humano
–  Por que então esses mesmos homens que admitem individualmente a indulgência, a benevolência, a justiça, depois em público se voltam com tanto furor contra essas virtudes? É devido a/ao ___________________________ (indiferença / interesse) aos assuntos mundanos.
– Quais são as ciências, citadas por Voltaire, onde todas as proposições são verdadeiras?
– Toda seita é sinônimo de erro. Que teólogo tomista poderia seriamente afirmar estar seguro das suas ideias? Pesquise o que é o tomismo.
– O argumento ontológico feito por Santo Anselmo em sua obra "Proslogion", propõe que a existência de Deus é auto-evidente. A lógica, dependendo da formulação, lê-se aproximadamente assim:
Existe na mente de todo homem a ideia de um ser que não se pode pensar outro maior;
Existir só na mente é menos perfeito do que existir na mente e também na realidade (a existência é uma das qualidades da perfeição);
Se o ser maior do que o qual não se pode pensar outro só existisse na mente seria menor do que qualquer outro que também existisse na realidade;
Logo, o ser do qual não se pode pensar outro maior deve existir também na realidade (existência real necessária), logo conclui-se que existe Deus e esse ser é o mais perfeito de todos.

De acordo com a leitura do filósofo Voltaire devemos inferir que:
(     ) O Estado deve aceitar o argumento ontológico da existência de Deus como verdade absoluta e buscar convencer as outras crenças sobre esta evidência.
(     ) O Estado deve aceitar o argumento ontológico da existência de Deus como uma verdade de fé cristã e buscar conciliar com as outras crenças (e suas verdades) uma coexistência pacífica e respeitosa.

Hora Certa

Total de visualizações de página